8.3.10

À Vida

 Não roubarás minha cor
Vermelha, de rio que estua.
Sou recusa: és caçador.
Persegues: eu sou a fuga.
Não dou minha alma cativa!
Colhido em pleno disparo,
Curva o pescoço o cabelo
Árabe — E abre a veia da vida. 
[Poema de 1924, tradução de Haroldo de Campos]

**********************************************

Não colherás no meu rosto sem ruga
A cor, violenta correnteza.
És caçadora — eu não sou presa.
És a perseguição — eu sou a fuga.
Não colherás viva minha alma!
Acossado, em pleno tropel,
Arqueia o pescoço e rasga
A veia com os dentes — o corcel.
Árabe.
[Tradução de Augusto de Campos]

MARINA TSVIETÁIEVA 
Escritora russa Marina Tsvetáieva, que, sob pressão do stalinismo, matou-se, aos 49 anos, em 1941.
Os poemas foram extraídos do livro Poesia Russa Moderna e as duas traduções indicam como um poema pode ser recebido noutra línguas de várias formas.

4 comentários:

NN Acessórios disse...

Fátima...amei sua visita e amei seu blog. Lindo o poema de Marina Tsvetáieva e saber de sua história enriquece a minha própria história, parabéns e obrigada por compartilhar.

Já a admirava amiga e hoje mais ainda. Beijinhos e Linda Noite do Dia Internacional da Mulheres..haha

Amapola disse...

Boa noite, Fátima.
Muito obrigada pela sua visita. Feliz dia das Mulheres, pra você também!
Seu blog é maravilhoso, e vou me deliciar dele, com certeza.

Um grande abraço.

Amapola disse...

Muito obrigada pelo carinho.
Que Deus a ilumine hoje e sempre.

Um grande abraço no coração.

Lua Nua disse...

Ei, isso aqui é bem bonito heim? Vou voltar com mais calma. Bjs Ah! Espero que vc tenha tido um dia da mulher maravilhoso! Bjs de novo