4.4.10

Noite de Abril

Hoje, noite de Abril, sem lua,
A minha rua
É outra rua.
Talvez por ser mais que nenhuma escura
E bailar o vento leste
A noite de hoje veste
As coisas conhecidas de aventura.

Uma rua nova destruiu a rua do costume.
Como se sempre nela houvesse este perfume
De vento leste e Primavera,
A sombra dos muros espera
Alguém que ela conhece.
E às vezes, o silêncio estremece
Como se fosse a hora de passar alguém
Que só hoje não vem.



Sophia de Mello  Andresen

Um comentário:

Amapola disse...

Nossa... lindo demais, Fátima.

É por isso que eu gosto muito de ler... ainda mais, ouvindo essa música.

Muito obrigada.

Beijos.